O que é Edge Computing - computação de borda?

 

Edge Computing sinaliza uma mudança do que é tradicionalmente entendido como Cloud Computing ou simplesmente nuvem.

 

Compartilhe esta notícia

 

Mas o que exatamente é? Para que serve? Quem são os principais players?

 

Edge Computing é uma mudança no panorama tecnológico que já está em andamento e tem o potencial de alterar drasticamente a forma como os dados são criados e processados.

A computação de borda está, em essência, ligada à evolução da internet das coisas (IoT). À medida que as várias indústrias pressionam para conectar todos os tipos de objetos as suas redes e à internet, a maneira pela qual esses objetos se comunicam mudará.

Para alguns usos, a baixa latência é realmente crucial - pense no caso de um carro autônomo que precise evitar um objeto na estrada. A computação precisará ocorrer nos limites externos, ou na "borda" da rede, e o mais próximo dos objetos em si.

 

Edge Devices - Dispositivos de borda

 

Um Edge Device ou dispositivo de borda pode ser qualquer coisa que forneça um ponto de entrada para uma rede, por exemplo, roteadores, APs, WANs e switches. Eles funcionarão como minis DataCenters capazes de se comunicar uns com os outros - para formar um 'nevoeiro' - e normalmente serão usados ​​para comunicar dados urgentes e críticos.

Por exemplo, pense em aplicativos em um automóvel, uma manufatura, gerenciamento de uma frota, resposta a emergências e desastres, em que simplesmente não é prudente transmitir dados de volta a um data center central.

Isso permitirá a Fog Computing ou "computação em névoa", um termo relativamente novo e utilizado para descrever a computação descentralizada acontecendo no nível do objeto que necessita de um processamento de dados rápido e ágil, ao invés de executar solicitações complexas em data centers que podem estar a centenas de milhas ou mais de distância.

 

O que é Fog Computing ou Computação em Névoa?

 

Em novembro de 2015, uma coalizão de fabricantes e acadêmicos ativos no campo de IoT - internet of things (Internet das Coisas) uniu forças para criar o OpenFog Consortium. Os membros fundadores são todos pesos-pesados ​​em tecnologia: Cisco, ARM, Dell, Intel, Microsoft e Princeton University.

O objetivo declarado do grupo é "acelerar o desenvolvimento de tecnologias de névoa através do desenvolvimento de uma arquitetura aberta, tecnologias básicas incluindo as capacidades de computação distribuída, rede e armazenamento, bem como a liderança necessária para realizar todo o potencial da IoT".

O grupo de analistas 451 Research estima que o mercado de computação de nevoeiro ultrapassará US$ 18 bilhões até o ano de 2022, impulsionado pelos setores de serviços públicos, transportes, saúde e industrias.

Um grupo de trabalho criado pela IEEE Standards Association está atualmente trabalhando com o OpenFog para inferir padrões relacionados a IoT avançado, 5G, AI e mais tecnologias relevantes para a computação de névoa.

Semiconductor e IP Business Rambus publicaram recentemente um blog sucinto que mapeou o boom nas demandas de dados das empresas de telecomunicações na execução de redes móveis, a transição iminente de 4G para 5G e como tudo isso escoa para o Edge Computing.

O salto da conectividade 4G para 5G será dramático para a computação de ponta, pois poderemos permitir tecnologias como microcélulas com taxas de latência muito baixas, por exemplo, e a 5G também criará oportunidades para construir novas redes - não apenas as redes públicas, mas também sub-redes privadas que podem ser executadas dentro de uma única organização.

Um exemplo é a utilização de VR pela AT&T para criar uma experiência de nuvem de realidade virtual em seus telefones – que será capaz de enviar e receber comandos de milhares de locais perto do usuário para tornar essa experiência mais perfeita e praticamente sem latência do que se fosse fornecido por um data center distante.

Desta forma, as empresas de telecomunicações se tornarão participantes mais poderosos nas tecnologias de rede e de nuvem, porque estarão executando grande parte da infraestrutura necessária para computação de borda e nevoeiro.

Um exemplo mais urgente e prático é estabelecido pelo GM da Intel para IoT, Kumar Balasubramanian. Se um carro inteligente detectar que um motorista está prestes a sofrer um acidente vascular cerebral, esse tipo de dados precisa ser tratado de forma imediata e não pode esperar para ir para a nuvem para ser analisado.

 

Industrial Edge ou borda industrial

 

A General Electric, que investiu pesadamente em manutenção preditiva e em aplicações para IoT, diz que essa vantagem está tomando forma agora por vários motivos, como: menor custo de computação, sensores mais baratos, mais potência em pequenos dispositivos, como gateways e hubs de sensores, o enorme volume de big data e learning machine e os seus analytics.

Imagine que um único veículo em uma frota autônoma irá produzir 40 terabytes de dados em oito horas na estrada, isso foi estimado pela Intel.

A GE diz que enviar todos esses dados para uma nuvem distante seria "inseguro, desnecessário e impraticável" - isso porque são os dados que detêm a maior parte do seu valor a curto prazo e requerem latência extremamente baixa para tomadas rápidas de decisão. Neste caso, a diferença poderia ser literalmente vida e morte.

Todo esse poder na borda deve ajudar as empresas a usar a IoT para melhorar o desempenho digital.

A Microsoft estima que a computação de borda irá permitir a interoperabilidade entre dispositivos novos e legados, gerando melhores operações com conectividade intermitente, tempos de resposta mais rápidos e segurança e conformidade aprimoradas.

Para se preparar para toda essa mudança de paradigmas, os fornecedores estão começando a preparar seus produtos para que sejam opções de ponta a ponta e que oferecem todo o pacote para o Edge Computing.

A Dell EMC, por exemplo, apostou muito em computação de ponta e de ponta. Em um evento em Nova York em outubro de 2017, foi anunciado uma nova divisão de IoT com investimento de US$ 1 bilhão em três anos.

A Dell, que concluiu a mega fusão com a EMC, espera oferecer quase toda a infraestrutura para IoT, Edge e Fog. Ela vende gateways e dispositivos analíticos e o Pivotal pode ser usado para integração com nuvem e aplicativos.

A antiga concorrente da Dell, a HPE, também reconheceu que a computação de ponta será importante para seu futuro, com Meg Whitman, orientando uma reunião de analistas em outubro em direção à IoT e à Edge.

A IBM ressalta que a Edge Computing, provavelmente, levará à criação de novas redes de malha que poderiam ser úteis no desenvolvimento de redes neurais e aprendizado de máquina. Um meshnet é essencialmente um tipo de rede descentralizada que permite a transmissão de um dispositivo para outro, sem a necessidade de uma torre de celular.

Enquanto isso, a empresa de chips Nvidia revelou planos para sua plataforma Jetson TX2, que foi projetada para fornecer inteligência artificial poderosa e mais próxima dos objetos, com a empresa citando robôs, drones e câmeras de segurança como exemplos.

Há outras vertentes mais sutis de Edge Computing que podem gerar benefícios para os resultados: sensores de baixa energia, mas altamente potentes, precisarão de menos largura de banda e menos energia para enviar dados do que seriam necessários para depender de uma nuvem central. Isso irá  significar uma redução significativa nas pegadas de energia em todo um campo de indústrias, onde o big data está consumindo atualmente uma grande quantidade de energia, apesar dos esforços para criar mais datacenters ecológicos.

 

Principais Benefícios do Edge Computing

 

A Internet das coisas, compreensivelmente, carregava a percepção de que era insegura, pois acreditava-se que alguns fabricantes de sensores haviam corrido para levar os produtos ao mercado sem ter como garantir segurança fim-a-fim.

Agora isso já não é um elefante no meio da sala como se pensava uma vez. E, na verdade, à medida que os sistemas de Edge são desenvolvidos, eles podem ser capazes de fornecer melhor visibilidade de tráfego para as organizações.

Então, há dois lados da moeda, comenta Keiron Shepherd, engenheiro sênior de sistemas da F5 Networks: "Crucialmente, as implicações de segurança do Edge Conmputing devem ser consideradas em uma organização que for usá-la", diz Shepherd. "O que alguns podem não perceber é que eles possuem o potencial de simplificar o gerenciamento de segurança, porque a organização tem uma ideia clara de onde os dados estão vindo e para onde estão indo”.

"Se tudo estiver sendo enviado para um data center central ou um sistema de nuvem, os altos volumes de tráfego podem ser difíceis de monitorar para uma empresa que não tem recursos suficientes para isso. Os cibercriminosos podem aproveitar isso interceptando dados sem serem notados. "

Mas, explica ele, a natureza da borda significa que também haverá uma disseminação mais ampla de possíveis elos fracos que precisam ser protegidos.

“As empresas precisam ter um excelente gerenciamento de atualização de patches e que possa ser replicado rapidamente e transferido para os diferentes sensores, coletando e enviando dados", diz Shepherd. "Há um equívoco de que hackers não vão atrás desses sensores específicos, mas hackers podem usar buracos que não foram corrigidos como uma maneira de entrar na rede de uma organização. Além disso, uma vez que eles possam fazer isso para um dispositivo, eles podem usar a mesma falha para acessar dados em centenas, milhares ou potencialmente até milhões de outros."

Há também vantagens potenciais para a privacidade, mantendo os dados próximos ao dispositivo, em vez de enviá-los para a nuvem.

 

O que dizem os analistas

 

O Gartner espera que até 2022, surpreendentes 50% dos dados gerados pelas empresas sejam criados e processados ​​fora de um data center ou nuvem tradicional - um contraste gritante com a marca de aproximadamente 10% em que está atualmente.

A IDC, por sua vez, espera que os gastos com IoT atinjam US$ 1,35 trilhão até 2021, com grande parte disso dependendo da infraestrutura que está sendo desenvolvida e implementada. A GE acredita que o mercado industrial da internet, isolado, valerá US$ 225 bilhões até 2020, e a Accenture espera que a IoT industrial acumule US$ 14,2 trilhões para a economia global até 2030.

A IBM descreve o edge como a "próxima fronteira" para a nuvem, então, o que vier, parece que um novo caminho para a computação provavelmente trará novos ecossistemas, novos pensamentos estratégicos e talvez formas inteiramente novas de fazer negócios.

Avalie o artigo:

O que é Edge Computing - computação de borda?
  • 5,00 de 5

  • 11 Avaliações
0

Deixe um comentário


0 Comentários