Disaster Recovery: a importância de manter sua operação segura

O papel da tecnologia nas atividades das empresas tem sido o motor de inúmeras possibilidades relacionadas à inovação e transformação digital.

Compartilhe esta notícia

Nesse contexto, é preciso pensar na importância do disaster recovery (ou recuperação de desastres) que, basicamente, é a capacidade de retomar as operações corporativas e reparar os prejuízos da melhor forma após um incidente inesperado, reduzindo os custos ao mínimo.

 

Para saber mais sobre esse conceito e seus efeitos, acompanhe os tópicos deste post!

 

O que é disaster recovery?

O termo, Disaster Recovery, consiste em um conjunto de ações e políticas que objetivam reduzir prejuízos decorrentes de acidentes que colocam em risco as atividades das empresas. Quando as organizações definem planos e estratégias para se preparar para possíveis eventos desastrosos, a probabilidade de um evento acontecer continua, mas o risco diminui consideravelmente.

 

Uma série de problemas pode colocar os negócios em risco: falhas técnicas de equipamentos, erros humanos, queda de energia elétrica, roubo e sequestro de dados, entre outros.

 

O ideal é que as empresas se preocupem com planos de recuperação de desastres mesmo antes de sofrerem algum dano. Definir um plano de disaster recovery deve ser uma das prioridades para quem administra o setor de TI.

 

Quais são as principais vantagens do Disaster Recovery?

A principal vantagem, do Disaster Recovery, é a consistência que oferece aos negócios. Em outras palavras, sua corporação se tornará mais robusta e mais sólida diante de possibilidades reais de quebras e de desestabilização.

 

A vantagem competitiva é outro grande benefício. Afinal, uma empresa que consegue sair bem das crises se destaca e mantém o crescimento estável a longo prazo. Lidar com dificuldades sem comprometer a produtividade e o foco em inovação e no cliente é fundamental para não perder competitividade.

 

E, por fim, na lista dos principais benefícios está o sucesso na relação com o cliente. Depois de um evento inesperado, como perda de dados por sequestro ou roubo de equipamentos, a empresa geralmente perde informações sobre seus consumidores, o que prejudica a capacidade de atraí-los. Mas, caso um plano de recuperação tenha sido implementado, tais dados podem estar seguros, protegidos por chaves de segurança, para que a organização não ponha em risco essa conexão com o seu público.

 

Quais são as boas práticas de recuperação?

Primeiro, é essencial conhecer os principais cenários. E o ideal nessa etapa é ser o mais geral possível, já que são eventos probabilísticos, ou seja, aleatórios. Falhas técnicas e erros humanos são sempre comuns, mas as ocorrências de sequestro de dados e vírus estão aumentando muito ultimamente.

 

Quando se conhecem os principais desastres, é possível trabalhar exatamente na prevenção de cada um dos prejuízos associados. Em caso de sequestro, por exemplo, a principal solução pode ser um bom mecanismo de cópias dos arquivos.

 

Contratar uma equipe para gestão de crise é muito importante também. Afinal, contar com um time especializado e preparado para lidar com essas situações ajuda como um escudo na hora de se defender de possíveis ataques. É importante escolher um grupo que tenha experiência, agilidade e organização no serviço.

 

Outra boa prática é definir a hierarquia dos arquivos e dos equipamentos em termos de relevância. Assim, pode-se trabalhar em ações para proteger mais o que é essencial e mais suscetível. Se sua companhia trabalha com dados sensíveis, priorize as senhas, um bom firewall e um bom sistema antivírus, por exemplo.

 

Indicadores como RTO (tempo de recuperação), que mede o tempo de restauração de arquivos, e RPO (ponto de recuperação), que mensura a quantidade de informações perdidas após um determinado período, também são bastante úteis.

 

Diante da alta volatilidade dos sistemas eletrônicos atuais e da função estratégica deles dentro do modelo de negócios, é importante se manter preparado para eventuais problemas. Afinal, a produtividade e os ganhos da empresa estão em jogo. A meta é reduzir prejuízos e diminuir problemas para os clientes.

 

Compreendeu a importância de um bom planejamento de disaster recovery? Aproveite para conferir este artigo sobre como monitorar a rede da sua empresa para prevenir ocorrências inesperadas. Até lá!

Avalie o artigo:

Disaster Recovery: a importância de manter sua operação segura
  • 0,00 de 5

  • 0 Avaliações
0

Deixe um comentário


0 Comentários